Menu

 
.
Architecture
Teatro Vivo

O Autor como Tradutor

Michael Frayn

Qualquer tradutor de Tchekov tem de estar tremendamente consciente da enorme quantidade de versões que foram feitas destas peças ao longo do tempo, e também da hostilidade do próprio Tchekov à ideia de ser traduzido - 'Não posso impedi-los, pois não? Então deixa-os traduzir; seja como for, as coisas não vão fazer grande sentido.' Tanto quanto sei, todas as traduções inglesas precedentes foram feitas por pessoas capazes de ler as peças no original, mas sem experiência de escrever para o teatro, ou por dramaturgos ingleses que conheciam o original apenas através da tradução literal feita por um colaborador, ou através das edições publicadas, sendo esse conhecimento acrescido de uma misteriosa certeza interior quanto ao que Tchekov estaria a dizer ou deveria estar a dizer se tivesse sido ao menos um pouco mais parecido com eles. A minha única qualificação para me lançar nesta nova tentativa é o facto de saber russo e, para além disso, escrever peças. Traduzir uma peça é quase como escrever uma peça. 0 primeiro princípio é, sem dúvida, que cada fala seja o que aquela personagem específica teria dito naquele momento específico se a sua língua materna fosse o inglês. Isso implica habitar aquela personagem, ou tentar habitá-la, tão intimamente como se ela fosse nossa. 0 segundo princípio básico, parece-me, é que cada fala seja imediatamente compreensível, tal como acontecia no original; no teatro, não há notas de rodapé e não se pode voltar à página anterior. Surgem dificuldades de ordem prática na aplicação destes princípios, principalmente com referências que são conhecidas, mas que um público inglês de hoje desconhece. Ampliei algumas dessas referências e cortei outras.... Outro problema de ordem geral é o problema dos nomes.... As personagens têm de se tranformar todas em falantes de inglês como língua materna, e os falantes de inglês como língua materna não se esforçam por pronunciar palavras e nomes estrangeiros. Tive por isso de simplificar sem piedade.

Para mim, todo o processo de tradução é muito semelhante ao da escrita de uma peça original. Quer dizer, temos de nos colocar, de certo modo, na posição em que o escritor se encontrava, no lugar em que a coisa estava na sua cabeça antes de ele a passar realmente para o papel. E temos de pôr aquelas personagens a falar inglês em vez da língua original. Parece mesmo que estamos a escrever as nossas próprias coisas... Em todos os autores que vale a pena traduzir há uma quantidade de coisas difíceis, coisas que não esperávamos que as personagens dissessem - coisas estranhamente enraizadas na maneira de pensar original. Se ignoramos isso, se dizemos, bem, era mais fácil dizer isto e esquecer aquilo, perde-se todo o sabor do original. E penso que é isso que acontece muitas vezes com coisas feitas em adaptações, ou por métodos de corte e costura. Perdemos realmente a textura do original. Há aqui um problema genuíno: não há bastantes pessoas que saibam escrever peças e falem as línguas todas do mundo em que as peças são escritas... Fiquei muito impressionado ao ver uma ou duas das minhas peças noutros países, com o contexto transposto para esse país e as personagens transformadas em cidadãos desse país. Muitas vezes funciona muito bem e é muito intrigante ver o enquadramento da peça transposto para uma textura diferente, para uma cultura completamente diferente... É curioso constatar que as traduções parecem ter de facto um prazo de duração mais curto que os originais. Se olharmos para trás e formos ver as traduções antigas de Tchekov, elas apresentam-se agora realmente estranhas e não parecem nada ser Tchekov. Enquanto o Tchekov original não me parece datado, continua fresco e vivo e não é de maneira nenhuma antiquado.

Destaques nesta Categoria:


O Autor como Dramaturgo

Michael Frayn

Um dos atractivos da escrita para teatro, depois de se ter escrito romances,

Apresentação deste Projecto

As nossas boas-vindas a este site dedicado ao percurso da peça Democracia ,


Inscreva-se na Newsletter

Email:

Confirmação - Escreva o seguinte número: 3287

NORMAS DE PRIVACIDADE

Desde 25 de Maio de 2018 é aplicável o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados Pessoais – Regulamento n.º 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de abril de 2016, que estabelece as regras relativas à proteção, tratamento e livre circulação dos dados pessoais das pessoas singulares e que se aplica diretamente a todas as entidades que procedam ao tratamento desses dados, em qualquer Estado Membro da União Europeia, nomeadamente Portugal.

Este site só usará dados que lhe tenham sido fornecidos com consentimento e sempre que solicitado os excluirá, nunca os fornecendo a outras entidades.


Envie-nos a sua mensagem

Contacto: (+351) 960094558

Nome:

Email:

Telefone (opcional mas também importante)

Se colocou o seu telefone diga-nos como prefere que contactemos:

Mensagem

Confirmação - Escreva o seguinte número: 3287